A brincadeira tem um papel fundamental e necessário para a formação da criança. Além de envolver habilidades cognitivas e socioemocionais importantes, o uso de jogos em sala de aula potencializa a aprendizagem ao invocar conhecimentos científicos, vivências de situações reais e imaginárias, investigações e experiências colaborativas.

 

No entanto, não basta buscar brincadeiras e jogos para aplicar em sala de aula sem contextualizar essas iniciativas. Depois de realizá-las, é recomendado que o professor discuta a experiência com as crianças e tente estimulá-las a expressar suas opiniões e vivências.

 

Tendo em vista os benefícios das brincadeiras e jogos na Educação Infantil, o próximo passo é saber como utilizar essas ferramentas adequadamente. Confira as nossas dicas a seguir:

 

Morto-vivo

 

Uma clássica brincadeira chamada “morto ou vivo” consegue treinar o poder de concentração e de reação das crianças. As regras são simples: o professor diz “morto” e as crianças se agacham. Diz “vivo” e elas se levantam.

 

O desafio está em aumentar a velocidade e alternar o uso dos dois termos, de maneira a confundir as expectativas das crianças.

 

Jogos de adivinhação

 

Reúna as crianças em um círculo e proponha algumas rodadas de adivinhações simples, como enigmas rápidos. É ainda melhor quando os alunos podem usar os conhecimentos adquiridos em sala de aula para respondê-las.

 

Essa brincadeira também é valiosa por colocar os alunos em posições opostas: de propor adivinhas criativas e solucioná-las. Ambas perspectivas são valiosas para o desenvolvimento cognitivo.

 

Música

 

A música tem um grande poder pedagógico, além de conseguir captar a atenção das crianças com facilidade. Trazer um violão para a sala de aula e convidar os alunos a participarem de algumas músicas pode ser bastante valioso.

 

O aspecto interativo pode ser reforçado nesse tipo de atividade. As crianças podem cantar junto ou até mesmo manusear o instrumento musical para entender como ele funciona.

 

Mímica

 

Sempre que se fala a respeito de competências socioemocionais, a compreensão do próprio corpo é um tópico importante a ser discutido. A mímica é uma brincadeira simples e eficaz para trabalhar esse entendimento.

 

As crianças precisam usar a imaginação e a criatividade para pensarem em como representar a ideia com o corpo e sem falar. Do outro lado, as demais participantes precisarão decodificar os sinais corporais para solucionarem o enigma.

 

Brincadeiras e jogos diversos devem fazer parte da rotina na Educação Infantil. Muitos deles podem trazer muito valor para a aprendizagem e servirem como mecanismos pedagógicos legítimos. Aproveite as dicas deste artigo e se mantenha sempre em busca de novas ideias para aplicar nas salas de aula da sua escola.